8ª Etapa
Home > Etapas > 8ª Etapa
8ª Etapa / Bragança - Montalegre (Serra do Larouco) / 160,7 Km / 13 agosto
Menu
Cidade Partida
Cidade Chegada
Mapa
Altimetria
Apresentação
Bragança

Bragança. Naturalmente!

Explore lugares ímpares
Bragança conserva um património ímpar num centro histórico bem conservado, que facilmente se percorre a pé. As pedras gastas, testemunhas de uma História atribulada, que remonta à Idade do Bronze, contam a presença de romanos, suevos e visigodos em combates que ajudaram a estabelecer as linhas de fronteira e a importância estratégica do burgo.
A Torre de Menagem, quatrocentista, destaca-se num dos mais harmoniosos e bem preservados castelos do país, que abriga um conjunto monumental digno de nota pela sua originalidade. É o caso da enigmática Domus Municipalis, edifício que remonta ao sec. XIII e se acredita ter acumulado as funções de cisterna com a de local de reunião dos “homens bons” do concelho. A seu lado, ergue-se a elegante Igreja de Santa Maria, cuja frontaria barroca, de tipo retabular, traduz no granito a talha dourada dos altares. Formando uma união singular entre épocas bem distintas, o pelourinho medieval está incrustado num berrão, estátua zoomórfica com origem em povos castrejos da proto-história.
Para lá das muralhas, as ruas empedradas guiam o viajante por um rosário de templos, em que se destacam o Convento de S. Francisco, as igrejas de S. Vicente e da Misericórdia, e a Sé, com um claustro renascentista e sacristia merecedores de visita atenta. O mesmo percurso está recheado de magníficos solares, edificados entre os séculos XVI e XVII, que hoje albergam instituições públicas.
Mas os tesouros monumentais não se limitam ao coração da cidade. Nas redondezas encontram-se joias como o Mosteiro de Castro de Avelãs, cuja cabeceira de planta circular revestida a tijolo é exemplar único em Portugal do estilo românico-mudéjar, ou a majestosa Basílica de Santo Cristo do Outeiro, único exemplar no país situado numa aldeia, com um esplêndido interior em talha barroca e assinalável pintura sacra.
Igualmente importante é o património cultural preservado nas aldeias do concelho, onde perduram tradições ancestrais, numa ruralidade tranquila feita de hábitos comunitários. É assim em Rio de Onor, aldeia fronteiriça e com fortes raízes comunitárias, Montesinho, aldeia aprazível de casas de pedra e telhados de xisto e, como é tradicional em Trás-os-Montes, onde há sempre a porta aberta de um sorriso para o receber.


Paisagens e Biodiversidade

Descubra Um Reino Maravilhoso
Poucos territórios possuem biodiversidade tão rica como o Parque Natural de Montesinho, situado às portas de Bragança. Com 80% dos mamíferos que existem em Portugal, só aqui poderá ser surpreendido por um grupo de veados junto à estrada, avistar um corço a alimentar-se num carvalhal, descobrir sinais da presença de javalis num prado ou escutar o uivo de um lobo.
O fabuloso mosaico de paisagens, composto por montes arredondados, os vales encaixados dos rios Sabor, Maçãs e Baceiro, searas, lameiros, soutos extensos, bosques de azinheiras e a maior mancha de carvalho-negral da Europa, é percorrido por inúmeros trilhos assinalados que permitem agradáveis passeios a pé ou a prática de BTT em cenários de arrebatadora beleza.
Bragança dispõe, igualmente, condições de excelência para a prática do ciclismo de estrada/cicloturismo, por estradas de montanha e com passagem por paisagens singulares e aldeias hospitaleiras, onde o bem-receber caracteriza os habitantes.
A Reserva da Biosfera da Meseta Ibérica, que abrange todo o território de Bragança e é a maior da Europa, merece uma visita atenta, usufruindo da diversidade paisagística e das inúmeras atividades de lazer que poderão ser desenvolvidas.
Unindo aldeias, embrenhando-se em densos arvoredos ou seguindo o traçado de cursos de água, há veredas calcorreadas há muitos séculos, como o itinerário romano de Antonino e os Caminhos de Santiago – um dos troços da Via da Prata passa por aqui, numa rota que prossegue em direção a Ourense. A Estação de Biodiversidade de Carrazedo, na Serra da Nogueira, é um aprazível percurso pedestre com indicação das plantas e animais que aí podem ser observados, entre eles algumas espécies de borboletas exclusivas de Trás-os-Montes.
À variedade geográfica e climática, que permite o convívio invulgar de exemplares tanto da flora mediterrânica como de ambientes mais frios, soma-se a existência de serpentinitos, rochas ultrabásicas onde florescem preciosidades botânicas endémicas dos solos transmontanos. Do ponto de vista geológico destacam-se também as rochas presentes no maciço de Bragança, as mais antigas do país, com cerca de mil milhões de anos.
Acrescente-se, ainda, a abundância de cogumelos, os mares de papoilas primaveris, a quietude matinal depois de um nevão ou o prazer de um banho nas frescas linhas de água, numa tarde de calor.
Um Reino Maravilhoso, em qualquer estação do ano!

Montalegre (Serra do Larouco)

Montalegre - Uma ideia da Natureza!

Capital da região de Barroso, o concelho de Montalegre está plantado numa altitude que varia entre os 800 e os 1.525 metros onde encontramos a beleza ímpar da serra do Larouco.
Erguido no Norte transmontano - entre a Galiza e o Minho - possui uma extensão qua ultrapassa os 800 km2, do qual fazem parte 25 freguesias que abraçam 135 aldeias. O território possui cinco serras: Larouco (1.525m), Gerês (1.434m), Alturas (1.279m), Cabreira (1262.) e Leiranco (1.156m) e três rios principais: Cávado, Rabagão e Beça, que oferecem as condições ideais para a prática da caça e da pesca.
O clima no concelho é heterogéneo - “nove meses de Inverno e três de Inferno” - isto é, tem Invernos longos e extremamente gélidos, onde ocorrem nevões com alguma frequência, que reforçam a rara beleza das paisagens, e verões muito quentes, destacando-se os rios e albufeiras que, atualmente, formam praias fluviais propícias a agradáveis e salutares momentos de lazer. Como atividades económicas, predominam a agricultura de subsistência, realçando-se o cultivo da batata e do centeio, a silvo-pecuária com a criação do gado bovino de raça barrosã, ovino, caprino, suíno, e, naturalmente, a construção civil, a pequena e média indústria, o comércio, os serviços e o turismo.

Mapa
Altimetria